All international orders from UK, Europe, Middle East, Africa, Asia-Pacific, China, and Latin America are to be placed through the Eurospan Group. For further details, click "International Ordering"
Bookstores: We are no longer accepting telephone or email orders. To place an order, please sign up for an account on our website. Use your bookstore's name and email address. Then send us the account information at accounts@barcelonapublishers.com, and we will set up the 20% discount. Thank you

Definindo Musicoterapia: Terceira Edição

Author : Kenneth Bruscia

Definindo Musicoterapia: Terceira Edição
ISBN : 9781945411007
E-ISBN : 9781945411014


Qty:       

Esta edição é o resultado de um projeto de 25 anos que teve por objetivo conceituar a musicoterapia de uma forma criticamente inclusiva e integrativa. O texto propõe um guarda-chuva conceitual que abarca todas as práticas profissionais e conceitos que têm sido considerados viáveis na literatura, e exclui os conceitos e práticas: que não se baseiam na música; que ocorrem fora de uma relação profissional terapeuta-cliente; e que não estão preocupados em abordar a saúde do cliente. O texto também oferece uma ampla gama de opções para o emprego da música objetivando as preocupações do cliente com a sua saúde -- como indicado pelas suas necessidades, mais do que a partir da orientação do terapeuta. A definição resultante é provisória, e foi baseada em mais de 100 definições existentes, e co-construída pelo autor, colegas experientes e associações de todo o mundo. As propostas do autor estão situadas dentro da culturas Ocidentais que utilizam o Inglês como idioma com propósitos acadêmicos.

 


ÍNDICE

Dedicatória

Agradecimentos

Lista de Tabelas e Figuras

Prefácio

Outras Questões

Uma Nota pessoal

Introdução

A Ideia

A Definição de 1989

Reações à definição de 1989

A Definição de Trabalho de 1998

OS ANOS INTERMEDIÁRIOS: de 1998 ao presente

O Grupo de Desconstrução

ANÁLISE DE DEFINIÇÕES EXISTENTES

RECONSTRUÇÃO

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

UMA VISÃO ETNOGRÁFICA

 

CAPÍTULO 1: A NECESSIDADE DE DEFINIÇÕES

 

CAPÍTULO 2: OS DESAFIOS DA DEFINIÇÃO

               A Musicoterapia é Definível?

               Transdisciplinaridade

               Disciplina e Profissão

               ARTE, CIÊNCIA E HUMANIDADE

               DIVERSIDADE NA PRÁTICA CLÍNICA

               Problemas Definindo Música

               Problemas Definindo Terapia

               A Necessidade de Fronteiras

               Diferenças em Perspectiva

               Difernças Culturais

               Diferenças Socioeconômicas

               Ainda em Desenvolvimento

Conclusão

 

CAPÍTULO 3: UMA ANÁLISE DAS DEFINIÇÕES EXISTENTES

Predicativos do sujeito e do objeto

Agentes

Predicativos do Musicoterapeuta

Predicativos do Beneficiário

Objetivos e Resultados da Musicoterapia

Conclusões

 

CAPÍTULO 4: UMA DEFINIÇÃO DE TRABALHO

Ressalvas

Uma definição de trabalho

Processo Reflexivo

Terapeuta

Ajuda

Cliente

A Otimizar Sua Saúde

Usando Diferentes Facetas da Experiência Musical

E as Diferentes Relações Formadas Através Destas

Como o Ímpeto da Transformação

Uma Disciplina de Prática Profissional, Teoria e Pesquisa

 

CAPÍTULO 5: PROCESSO

Focado na Saúde

Agentes do Processo

Compromisso Mútuo: o Contrato

Metódico

Baseado no Conhecimento

Regulado

Traços Únicos

 

CAPÍTULO 6: REFLEXIVO

Como ser reflexivo

Integridade como Meta

Integridade de Método

O Progresso do Cliente

Auto-Consciência

Diferenciando o Cliente de Si Mesmo

Bem Informado

Prática Ética

Resumo

 

CAPÍTULO 7: TERAPEUTA

A Necessidade de um Terapeuta

Critérios para a Definição

Contrato

Quem Ajuda e não é Ajudado

Função Focada na Saúde

Baseada em Música

Credenciais

Resumo

 

CAPÍTULO 8: AJUDA

Questões e Preocupações

“Estar Lá” para o Cliente

Entender as Necessidades e os Recursos do Paciente

Empatia com o Cliente

Dar Voz ao Cliente

Sustentar e Ancorar

Comunicar-se com o Cliente

Fornecer Oportunidades de Auto-Reflexão

Apresentar e Explorar Alternativas

Guiar quando Necessário

Conectar o Cliente ao Eu e ao Mundo

Fornecer Alívio

Intervir quando Necessário

Motivar

Validar e Afirmar

Cuidar do Cliente

Proteger sua Capacidade de Ajudar

 

CAPÍTULO 9: CLIENTE

Questões de Nomenclatura

Escopo

Critérios de Definição

Níveis de Consciência do Cliente

Os Papéis do Cliente

Clientes como Coletivos e Contextos

 

CAPÍTULO 10: OTIMIZAR A SAÚDE DO CLIENTE

               Otimizar

O que Saúde Engloba?

A Saúde é uma Dicotomia ou um Continuum?

A Saúde é Objetiva ou Subjetiva?

A Saúde como uma Forma de Ser

A Saúde Definida

Conclusão

 

CAPÍTULO 11: USANDO EXPERIÊNCIAS MUSICAIS

Diferentes Definições de Música

Como Musicoterapeutas Conceptualizam Música

Fatores para a Definição de Música no Contexto Clínico

Definição Atual de Música

Por que Experiência Musical e não Música?

 

CAPÍTULO 12: NÍVEIS DE EXPERIÊNCIA

Pré-Musical

Musical

Extramusical

Paramusical

Não-Musical

Conclusão

 

CAPÍTULO 13: TIPOS DE EXPERIÊNCIA – OS QUATRO MÉTODOS PRINCIPAIS

Experiências de Improvisação

Experiências de Re-Criação

Experiências de Composição

Experiências Receptivas

 

CAPÍTULO 14: FACETAS DA EXPERIÊNCIA MUSICAL

Faceta Física

Faceta Emocional

Faceta Mental

Faceta Relacional

Faceta Espiritual

Conclusão

Dois Exemplos

 

CAPÍTULO 15: RELAÇÕES

Relações Intramusicais

Relações Intermusicais

Relações Intrapessoais

Relações Interpessoais

Relações Pessoais com a Música

Relações Ecológicas

Pensamentos Finais

 

CAPÍTULO 16: RELAÇÕES PRÉVIAS E CONSTRUÍDAS

Constelação Cliente-Música

Constelação Terapeuta- Música

Constelação Cliente-Música-Terapeuta

Constelação Cliente-Música-Terapeuta-Outra Constelação

Pensamentos Finais

 

CAPÍTULO 17: ÍMPETO

Estratégias Orientadas a Resultados

Estratégias Orientadas a Experiências

Estratégias Orientadas à Ecologia

Estratégias Integradas

 

CAPÍTULO 18: TRANSFORMAÇÃO

               Quem Muda?

               O Setting para a Transformação

               Tipos de Transformação

               Potenciais Transformações Individuais

               Potenciais Transformações Interpessoais

               Potenciais Transformações Ecológicas

               Critérios para Transformação

               Uma Nota sobre Prudência

 

CAPÍTULO 19: UMA DISCIPLINA DE PRÁTICA PROFISSIONAL, TEORIA E PESQUISA

               Situando a Definição

               Definindo Pesquisa

               Diferenciando Pesquisa e Prática

               Definindo Teoria

               Diferenciando Pesquisa e Teoria

               Resumo

 

CAPÍTULO 20: CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO E DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS E NÍVEIS DA PRÁTICA

               Áreas da Prática

               Níveis da Prática

 

CAPÍTULO 21: PRÁTICAS DIDÁTICAS

               Distinções

               Práticas Didáticas Auxiliares

               Práticas Didáticas Aumentativas

               Práticas Didáticas Intensivas

               Práticas Didáticas Primárias

 

CAPÍTULO 22: PRÁTICAS MÉDICAS

               Práticas Médicas Auxiliares

               Práticas Médicas Aumentativas

               Práticas Médicas Intensivas

               Práticas Médicas Primárias

 

CAPÍTULO 23: PRÁTICAS DE CURA

               Uma Concepção Geral

               Cura Versus Terapia

               O Uso da Vibração, do Som e da Música

               Advertência

Cura Sonora Vibracional

Práticas de Cura Auxiliares

Práticas de Cura Aumentativas

Práticas de Cura Intensivas

 

CAPÍTULO 24: PRÁTICAS PSICOTERAPÊUTICAS

Práticas Psicoterapêuticas Auxiliares

Práticas Psicoterapêuticas Aumentativas

Práticas Psicoterapêuticas Intensivas

Práticas Psicoterapêuticas Primárias

 

CAPÍTULO 25: PRÁTICAS RECREATIVAS

Práticas Recreativas Auxiliares

Práticas Recreativas Aumentativas

Práticas Recreativas Intensivas

Práticas Recreativas Primárias

 

CAPÍTULO 26: PRÁTICAS ECOLÓGICAS

Práticas Ecológicas Auxiliares

Práticas Ecológicas Aumentativas

Práticas Ecológicas Intensivas

Práticas Ecológicas Primárias

 

CAPÍTULO 27: PENSAMENTO INTEGRAL

               Aceitando a Diversidade da Musicoterapia

               Integrando o Novo e o Velho

               Encontrando Semelhanças

               Encarar Diferenças como Opções

               Respeitar as Ideias de Outros

               Ser Reflexivo

               Continuamente Mudar de Lugar e de Foco

               Considerar Perspectivas Macro e Micro

               Responder ao Desafio

 

CAPÍTULO 28: PRÁTICA INTEGRAL

               Sendo Integral

               Identificando Participantes e Contextos

               Entendendo o(s) Cliente(s)

               Formando Metas e Estratégias Flexíveis

               Considere Diferentes Níveis de Diretividade

               Usando Experiências Musicais

               Assuma Diferentes Papéis como Terapeuta

               Escolha um Critério de Avaliação

               Troque a Área ou Nível da Prática

               Continue Reflexivo

               Conclusão

 

CAPÍTULO 29: CONCLUSÕES

               Para a Disciplina

               Para a Profissão

               O Futuro da Definição

 

 

NOTAS

 

NOTA 2A: ESTRUTURANDO CONSTRUCTOS CULTURAIS E DISCURSIVOS PARA A MUSICOTERAPIA

               Expandindo as Premissas

               Uma Abordagem Alternativa para Definir Musicoterapia

 

NOTA 2B: DIFERENTES CONCEPÇÕES DA DISCIPLINA E DA PROFISSÃO

 

NOTA 5: INTERVENÇÃO – DESCONSTRUÍDO

 

NOTA 6A: SISTEMÁTICA – DESCONSTRUÍDO

 

NOTA 6B: AS FALÁCIAS DO HOLISMO

 

NOTA 6C: NÃO-DIRETIVIDADE – UMA ILUSÃO

 

NOTA 8A: AJUDA – DESCONSTRUÍDO

               Terapia é mais do que Ajuda

               Conotações Problemáticas

 

NOTA 8E: O PAPEL DO PODER EM TERAPIA

               Autenticidade

               A Autenticidade do Empoderamento

               Conclusões

 

NOTA 8C: AJUDA E HIERARQUIA EM TERAPIA

               Hierarquia é uma Ordem Natural

               Nem todas as Hierarquias são Opressoras

               De Onde vêm tais Conotações?

 

NOTA 9: CLIENTE – DESCONSTRUÍDO

               Ameaça à Saúde

 

NOTA 10: PROMOÇÃO DE SAÚDE – DESCONSTRUÍDO

               Saúde de Quem?

               Promoção

               Saúde

 

NOTA 11: EXPERIÊNCIAS MUSICAIS E SUAS RELAÇÕES – DESCONSTRUÍDO

 

NOTA 17: FORÇAS DINÂMICAS – DESCONSTRUÍDO

 

NOTA 18: TRANSFORMAÇÃO – DESCONSTRUÍDO

               Questões de Causalidade

               Previsibilidade de Resultado

               Benefícios Indiretos

 

APÊNDICE A: DEFINIÇÕES DE MUSICOTERAPIA

 

REFERÊNCIAS

              

 

LISTA DE TABELAS

 

3-1: Predicativos Nominais e do Objeto nas Definições de Musicoterapia

3-2: Os Agentes em Musicoterapia

3-3: Predicativos do Objeto para o Terapeuta

3-4: Predicativos do Objeto para os Beneficiários da Musicoterapia

3-5: Objetivos e Resultados da Musicoterapia

3-6: Domínios Alvos da Musicoterapia

10-1: Terminologia Patogênica

15-1: Exemplos de Relações Intramusicais

15-2: Exemplos de Relações Intermusicais

15-3: Exemplos de Relações Intrapessoais

15-4: Exemplos de Relações Interpessoais

15-5: Dimensões da Relação Pessoal com a Música

15-6: Exemplos de Relações Ecológicas

18-1: Tipos de Transformação Possíveis em Musicoterapia

18-2: Tipos de Transformação na Saúde

20-1: Critérios na Determinação dos Níveis da Prática

 

 

LISTA DE FIGURAS

 

16-1: A Constelação Cliente-Música

16-2: A Constelação Terapeuta-Música

16-3: A Constelação Cliente-Música-Terapeuta

17-1: Estratégias Orientadas a Resultados

17-2: Estratégias Orientadas à Experiência

17-3: Estratégias Integrativas

 

 

ÍNDICE Dedicatória Agradecimentos Lista de Tabelas e Figuras Prefácio Outras Questões Uma Nota pessoal Introdução A Ideia A Definição de 1989 Reações à definição de 1989 A Definição de Trabalho de 1998 OS ANOS INTERMEDIÁRIOS: de 1998 ao presente O Grupo de Desconstrução ANÁLISE DE DEFINIÇÕES EXISTENTES RECONSTRUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA UMA VISÃO ETNOGRÁFICA CAPÍTULO 1: A NECESSIDADE DE DEFINIÇÕES CAPÍTULO 2: OS DESAFIOS DA DEFINIÇÃO A Musicoterapia é Definível? Transdisciplinaridade Disciplina e Profissão ARTE, CIÊNCIA E HUMANIDADE DIVERSIDADE NA PRÁTICA CLÍNICA Problemas Definindo Música Problemas Definindo Terapia A Necessidade de Fronteiras Diferenças em Perspectiva Difernças Culturais Diferenças Socioeconômicas Ainda em Desenvolvimento Conclusão CAPÍTULO 3: UMA ANÁLISE DAS DEFINIÇÕES EXISTENTES Predicativos do sujeito e do objeto Agentes Predicativos do Musicoterapeuta Predicativos do Beneficiário Objetivos e Resultados da Musicoterapia Conclusões CAPÍTULO 4: UMA DEFINIÇÃO DE TRABALHO Ressalvas Uma definição de trabalho Processo Reflexivo Terapeuta Ajuda Cliente A Otimizar Sua Saúde Usando Diferentes Facetas da Experiência Musical E as Diferentes Relações Formadas Através Destas Como o Ímpeto da Transformação Uma Disciplina de Prática Profissional, Teoria e Pesquisa CAPÍTULO 5: PROCESSO Focado na Saúde Agentes do Processo Compromisso Mútuo: o Contrato Metódico Baseado no Conhecimento Regulado Traços Únicos CAPÍTULO 6: REFLEXIVO Como ser reflexivo Integridade como Meta Integridade de Método O Progresso do Cliente Auto-Consciência Diferenciando o Cliente de Si Mesmo Bem Informado Prática Ética Resumo CAPÍTULO 7: TERAPEUTA A Necessidade de um Terapeuta Critérios para a Definição Contrato Quem Ajuda e não é Ajudado Função Focada na Saúde Baseada em Música Credenciais Resumo CAPÍTULO 8: AJUDA Questões e Preocupações “Estar Lá” para o Cliente Entender as Necessidades e os Recursos do Paciente Empatia com o Cliente Dar Voz ao Cliente Sustentar e Ancorar Comunicar-se com o Cliente Fornecer Oportunidades de Auto-Reflexão Apresentar e Explorar Alternativas Guiar quando Necessário Conectar o Cliente ao Eu e ao Mundo Fornecer Alívio Intervir quando Necessário Motivar Validar e Afirmar Cuidar do Cliente Proteger sua Capacidade de Ajudar CAPÍTULO 9: CLIENTE Questões de Nomenclatura Escopo Critérios de Definição Níveis de Consciência do Cliente Os Papéis do Cliente Clientes como Coletivos e Contextos CAPÍTULO 10: OTIMIZAR A SAÚDE DO CLIENTE Otimizar O que Saúde Engloba? A Saúde é uma Dicotomia ou um Continuum? A Saúde é Objetiva ou Subjetiva? A Saúde como uma Forma de Ser A Saúde Definida Conclusão CAPÍTULO 11: USANDO EXPERIÊNCIAS MUSICAIS Diferentes Definições de Música Como Musicoterapeutas Conceptualizam Música Fatores para a Definição de Música no Contexto Clínico Definição Atual de Música Por que Experiência Musical e não Música? CAPÍTULO 12: NÍVEIS DE EXPERIÊNCIA Pré-Musical Musical Extramusical Paramusical Não-Musical Conclusão CAPÍTULO 13: TIPOS DE EXPERIÊNCIA – OS QUATRO MÉTODOS PRINCIPAIS Experiências de Improvisação Experiências de Re-Criação Experiências de Composição Experiências Receptivas CAPÍTULO 14: FACETAS DA EXPERIÊNCIA MUSICAL Faceta Física Faceta Emocional Faceta Mental Faceta Relacional Faceta Espiritual Conclusão Dois Exemplos CAPÍTULO 15: RELAÇÕES Relações Intramusicais Relações Intermusicais Relações Intrapessoais Relações Interpessoais Relações Pessoais com a Música Relações Ecológicas Pensamentos Finais CAPÍTULO 16: RELAÇÕES PRÉVIAS E CONSTRUÍDAS Constelação Cliente-Música Constelação Terapeuta- Música Constelação Cliente-Música-Terapeuta Constelação Cliente-Música-Terapeuta-Outra Constelação Pensamentos Finais CAPÍTULO 17: ÍMPETO Estratégias Orientadas a Resultados Estratégias Orientadas a Experiências Estratégias Orientadas à Ecologia Estratégias Integradas CAPÍTULO 18: TRANSFORMAÇÃO Quem Muda? O Setting para a Transformação Tipos de Transformação Potenciais Transformações Individuais Potenciais Transformações Interpessoais Potenciais Transformações Ecológicas Critérios para Transformação Uma Nota sobre Prudência CAPÍTULO 19: UMA DISCIPLINA DE PRÁTICA PROFISSIONAL, TEORIA E PESQUISA Situando a Definição Definindo Pesquisa Diferenciando Pesquisa e Prática Definindo Teoria Diferenciando Pesquisa e Teoria Resumo CAPÍTULO 20: CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO E DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS E NÍVEIS DA PRÁTICA Áreas da Prática Níveis da Prática CAPÍTULO 21: PRÁTICAS DIDÁTICAS Distinções Práticas Didáticas Auxiliares Práticas Didáticas Aumentativas Práticas Didáticas Intensivas Práticas Didáticas Primárias CAPÍTULO 22: PRÁTICAS MÉDICAS Práticas Médicas Auxiliares Práticas Médicas Aumentativas Práticas Médicas Intensivas Práticas Médicas Primárias CAPÍTULO 23: PRÁTICAS DE CURA Uma Concepção Geral Cura Versus Terapia O Uso da Vibração, do Som e da Música Advertência Cura Sonora Vibracional Práticas de Cura Auxiliares Práticas de Cura Aumentativas Práticas de Cura Intensivas CAPÍTULO 24: PRÁTICAS PSICOTERAPÊUTICAS Práticas Psicoterapêuticas Auxiliares Práticas Psicoterapêuticas Aumentativas Práticas Psicoterapêuticas Intensivas Práticas Psicoterapêuticas Primárias CAPÍTULO 25: PRÁTICAS RECREATIVAS Práticas Recreativas Auxiliares Práticas Recreativas Aumentativas Práticas Recreativas Intensivas Práticas Recreativas Primárias CAPÍTULO 26: PRÁTICAS ECOLÓGICAS Práticas Ecológicas Auxiliares Práticas Ecológicas Aumentativas Práticas Ecológicas Intensivas Práticas Ecológicas Primárias CAPÍTULO 27: PENSAMENTO INTEGRAL Aceitando a Diversidade da Musicoterapia Integrando o Novo e o Velho Encontrando Semelhanças Encarar Diferenças como Opções Respeitar as Ideias de Outros Ser Reflexivo Continuamente Mudar de Lugar e de Foco Considerar Perspectivas Macro e Micro Responder ao Desafio CAPÍTULO 28: PRÁTICA INTEGRAL Sendo Integral Identificando Participantes e Contextos Entendendo o(s) Cliente(s) Formando Metas e Estratégias Flexíveis Considere Diferentes Níveis de Diretividade Usando Experiências Musicais Assuma Diferentes Papéis como Terapeuta Escolha um Critério de Avaliação Troque a Área ou Nível da Prática Continue Reflexivo Conclusão CAPÍTULO 29: CONCLUSÕES Para a Disciplina Para a Profissão O Futuro da Definição NOTAS NOTA 2A: ESTRUTURANDO CONSTRUCTOS CULTURAIS E DISCURSIVOS PARA A MUSICOTERAPIA Expandindo as Premissas Uma Abordagem Alternativa para Definir Musicoterapia NOTA 2B: DIFERENTES CONCEPÇÕES DA DISCIPLINA E DA PROFISSÃO NOTA 5: INTERVENÇÃO – DESCONSTRUÍDO NOTA 6A: SISTEMÁTICA – DESCONSTRUÍDO NOTA 6B: AS FALÁCIAS DO HOLISMO NOTA 6C: NÃO-DIRETIVIDADE – UMA ILUSÃO NOTA 8A: AJUDA – DESCONSTRUÍDO Terapia é mais do que Ajuda Conotações Problemáticas NOTA 8E: O PAPEL DO PODER EM TERAPIA Autenticidade A Autenticidade do Empoderamento Conclusões NOTA 8C: AJUDA E HIERARQUIA EM TERAPIA Hierarquia é uma Ordem Natural Nem todas as Hierarquias são Opressoras De Onde vêm tais Conotações? NOTA 9: CLIENTE – DESCONSTRUÍDO Ameaça à Saúde NOTA 10: PROMOÇÃO DE SAÚDE – DESCONSTRUÍDO Saúde de Quem? Promoção Saúde NOTA 11: EXPERIÊNCIAS MUSICAIS E SUAS RELAÇÕES – DESCONSTRUÍDO NOTA 17: FORÇAS DINÂMICAS – DESCONSTRUÍDO NOTA 18: TRANSFORMAÇÃO – DESCONSTRUÍDO Questões de Causalidade Previsibilidade de Resultado Benefícios Indiretos APÊNDICE A: DEFINIÇÕES DE MUSICOTERAPIA REFERÊNCIAS LISTA DE TABELAS 3-1: Predicativos Nominais e do Objeto nas Definições de Musicoterapia 3-2: Os Agentes em Musicoterapia 3-3: Predicativos do Objeto para o Terapeuta 3-4: Predicativos do Objeto para os Beneficiários da Musicoterapia 3-5: Objetivos e Resultados da Musicoterapia 3-6: Domínios Alvos da Musicoterapia 10-1: Terminologia Patogênica 15-1: Exemplos de Relações Intramusicais 15-2: Exemplos de Relações Intermusicais 15-3: Exemplos de Relações Intrapessoais 15-4: Exemplos de Relações Interpessoais 15-5: Dimensões da Relação Pessoal com a Música 15-6: Exemplos de Relações Ecológicas 18-1: Tipos de Transformação Possíveis em Musicoterapia 18-2: Tipos de Transformação na Saúde 20-1: Critérios na Determinação dos Níveis da Prática LISTA DE FIGURAS 16-1: A Constelação Cliente-Música 16-2: A Constelação Terapeuta-Música 16-3: A Constelação Cliente-Música-Terapeuta 17-1: Estratégias Orientadas a Resultados 17-2: Estratégias Orientadas à Experiência 17-3: Estratégias Integrativas